Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > A polêmica da adaptação de Machado de Assis

A polêmica da adaptação de Machado de Assis

Categoria: Literatura
A polêmica da adaptação de Machado de Assis

Sabemos que a linguagem é um fator muito importante em nosso dia a dia. A partir dela fazemos o uso de diversos tipos de comunicação, algumas mais informais, outras menos. Além disso, não podemos esquecer que no decorrer dos anos, estamos cada vez mais nos adaptando a novos vocabulários. Gírias e até palavras em inglês passam a fazer parte do nosso cotidiano, como por exemplo, “fast food”, “shopping”, “skate”, ou “website”.

A partir disso, nota-se que a chamada “evolução ortográfica” se faz necessária e muito presente em nossas vidas. Porém, não devemos esquecer de que a cultura de cada país é um fator importante. Não devemos deixar de lado nossas raízes culturais, pois é a partir delas que se gera conhecimento e cultura, bases necessárias para qualquer pessoa. Partindo destes conceitos, veio à tona uma polemica envolvendo uma escritora que decidiu publicar uma adaptação simplificada do conto "O alienista", de Machado de Assis. A escritora utilizou como justificativa de seu projeto, o argumento de que muitos jovens deixam de ler obras como esta por conta da dificuldade da linguagem do autor.

Se analisarmos alguns contribuintes da literatura Brasileira, podemos perceber que seus textos possuem linguagem extremamente culta, e partindo da visão dos jovens de hoje em dia: “complicada”. Todavia, o que deve ser considerado é que justamente o “complicado” nos leva a lutar e nos esforçar para um entendimento completo do assunto. É exatamente na dificuldade que se aprende. Como disse o professor da USP Alcides Villaça: “É absurdo imaginar que a função da escola seja facilitar qualquer coisa, em vez de levar a trabalhar com as dificuldades da vida, da crítica e do conhecimento.”.

Portanto, não é valido simplificar a linguagem de um clássico, pelo fato de que isso tiraria a essência de sua obra. É justamente o “complicado” que contribui para que a obra seja tão fabulosa e culta. Citando novamente, José Maria e Silva da Revista Bula disse: “Mesmo “O Alienista”, talvez o enredo mais movimentado de toda a sua obra, depende substancialmente da linguagem, pois é nela que moram a argúcia e a ironia do conto”.

Não somente os jovens, mas todas as pessoas precisam de uma barreira de dificuldade, para que possam crescer e aprender cada vez mais. Porém isso não vem com a facilitação das coisas e sim, com a força de vontade para se interpretar um texto que seja mais difícil, mas que trará benefícios futuros, como a ampliação do vocabulário e o aprendizado.


Isadora Saliba

Título: A polêmica da adaptação de Machado de Assis

Autor: Isadora Saliba (todos os textos)

Visitas: 0

236 

Comentários - A polêmica da adaptação de Machado de Assis

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios