Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > A Intolerância

A Intolerância

Categoria: Internet
A Intolerância

A intolerância é o infinito da alma de quem é racista e preconceituosa, no entanto sem ao menos imaginar que um dia um filho ou filha pode chegar em casa com uma namorada negra ou visse versa.

O fato de ser negra não é uma doença, não é a pior coisa do mundo, mas é o que eu queria ser.
A pessoa de pele mais escura têm em seu interior uma esplêndida essência do amor de Deus já que Jesus era banco e ele, seja até hoje indefinível embora a quem acredita como eu que não sou muito religioso, embora acredita em um BEM maior que todo o Universo que está presente em todas as coisas do dia-a-dia e em todos os nossos atos para com nossos amigos e afins, embora não sejamos assim com todas as pessoas do mundo que pela cor da pele ou ineficientes de fazer alguma coisa, o rotulamos mesmo sem querer que nós sejamos preconceituosos e racistas e, por isso, que no entanto o amor seja tão indefinível já que um o amor seja amar e desejar o melhor do mundo, ou talvez do universo para todas as pessoas a que nós tanto rotulamos pela cor ou alguma deficiência que muitas vezes, não pensamos maldosamente que aquele a quem não acreditamos ser capaz de fazer algo que tanto deseja que é de ser um atleta ou é de expressar pela arte de escrever ou desenhar algo que quer ou deseja.

A ignorância que também pode ser descrita sem queremos o descrever ao fato de não queremos estudar com alguém que seja totalmente diferente do que você, embora a igualdade entre vocês sejam mínimas.

Podemos definir a nossa ignorância como sendo uma sombra da tão temida intolerância tão quão presente em nosso dia-a-dia que mesmo não se manifestando causa mal e má digestão no estômago a quem se constrange por ser diferente, embora seja tão igual.

Segundo ao relato que lê agora de uma linda e esmera moça que fora constrangida por uma senhora que nem mesmo à conhecia que pelo fato de ser negra, de cabelos pretos e enrolados, e estar cursando medicina.

Segundo à senhora, o curso de medicina seria somente de exclusividade de quem era branco, de cabelos lisos mesmo que, embora com a força do Partidos dos trabalhadores de com às Leis de Cotas possibilite que as pessoas- Sendo negras ou não, possam realizar seus sonhos, embora a minha concepção em relação à essas leis também sejam um pouco preconceituosa e racista porque a pessoa menosprezada pela cor da pele, por alguma deficiência não precisa disso já que as pessoas tanto os definem como inabilitados de exercer algumas profissões, eles têm que mostrar e acreditar que podem sim, serem autodidata.


Kaique Barros

Título: A Intolerância

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - A Intolerância

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios