Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Eventos > Woodstock – Uma memória Inesquecível

Woodstock – Uma memória Inesquecível

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Eventos
Visitas: 8
Comentários: 4
Woodstock – Uma memória Inesquecível

Quem nunca ouviu falar do festival de Woodstock? Além de mundialmente conhecido, qualquer um de nós se pode identificar com o acontecimento.

Não será obviamente pela associação que fazemos do rock muito alto acompanhado por drogas e bebidas. A intenção do festival era outro, e na realidade todos defendemos a ideia. Paz e Amor.

Pelas razões que todos conhecemos, o woodstock foi repleto de excessos cometidos por uma juventude ansiosa e faminta de liberdade, mas também de uma sociedade descontente que desejava manifestar-se de forma pacífica.

Os Estados Unidos da América estavam em guerra no Vietname há já 10 anos (começou em 1959, tendo os EUA intervindo somente em 1964- terminou em 1975), e a imposição militar, afetava muitas famílias, mas sobretudo jovens que encontravam na revolução das flores, um sentido direto para o que sentiam. O desejo absoluto de um mundo em paz e harmonia.

Em 1969 e com a transmissão televisiva das imagens cruéis da guerra e da violência com que eram retratadas notícias de guerra, a América protestavam em tom de manifestações pacifistas e o desespero pela paz invadia os Estados Unidos. Ora chegavam combatentes desmembrados e traumatizados, ora muitas famílias perderam por completo o rasto dos seus entre queridos e o mau estar da população teimava.

No espírito supremo de Paz no mundo, nasciam grupos pacifistas que se identificavam com músicas criadas e tocadas em forma de protesto contra a descriminação e guerra e gritavam palavras de ordem por um mundo melhor.

“Make Love not War”, era o mote, e o festival nascia da vontade de se deixarem exprimir.

Realizado entre 15 a 18 de agosto de 1969, o festival de woodstock reuniu cerca de meio milhão de espectadores num espaço rural cedido para o evento. Inicialmente prevista, as atuações para o centro de Nova York, o festival acabou por acontecer numa quinta rural a cerca de 1 hora do sítio previsto anteriormente.

Num fim de semana chuvoso, o movimento hippie acreditou e concretizou o maior festival de música de todos os tempos. Existem documentários e filmes que exploram a imagem daqueles dias.

Uma ideia original de Michael Lang, Joel Rosemman, Artie Kornfeild e John Roberts, que colmatou na manifestação mais pacifica de todos os tempos. Antecipadamente foram vendidos cerca de 190.000 bilhetes a 18 dólares cada um, mas durante o evento, foram reunidas 500.000 pessoas.

Com nomes sonantes como Janis Joplin, Santana, Sweetwater, Creedence Clearwater Revival, Joe Cocker, Neil Young, Jimy Hendrix, o espetáculo sofreu alguns problemas devido á chuva. Há quem indique que a banda Grateful Dead sofreu vários choques elétricos durante a atuação.

Algumas bandas conhecidas do grande público recusaram o convite, como os Beatles (John Lennon recusou participar por ter sido intercetada a atuação de Yoko Ono), Led Zeppelin que culpam o seu agente de ter considerado o festival um evento com demasiada lama.

Contam membros dos Led Zeppelin que se arrependem até aos dias de hoje.

Independentemente da cotação que queiramos dar ao movimento hippie e a tudo o que associemos ao Peace and Love, temos de dar a mão á palmatória. Foi um movimento pacifista, uma revolução numerosa, sem incidentes de violência (as duas mortes ocorridas foram devido a consumo excessivo de heroína), uma forma de chamar a atenção do mundo com arte de cantar e dançar e em especial, com muito, muito amor! Será que nos dias de hoje, uma manifestação assim ainda seria possível?


Carla Horta

Título: Woodstock – Uma memória Inesquecível

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 8

773 

Imagem por: SuZenDu

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoBia

    24-07-2012 às 09:52:58

    Será que se falou mesmo do Woodstock? Daquele sentimento de entrega e de liberdade? Podem não defender, pode ser até para muitos “igual ao litro”, mas a verdade é que o espirito estava lá e o sentimento de liberdade, união, amor, igualdade de ser humano (e aqui não tem nada a haver com o capitalismo ou o comunismo ou qualquer outra politiquice) estiveram presentes. Muitos woodstock’s deveriam ser feitos com bandas a oferecer musica e não a vendê-la e muita gente em perfeita harmonia e união. Isto sim, seria viver um Woodstock para várias gerações.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAlfredo

    23-07-2012 às 11:40:53

    O Woodstock foi de facto um marco na vida de muitos (mesmo para os que não participaram) e ainda hoje movem multidões, mas há que entender que a igualdade não pode ser tão linear assim. Há capitalismo, é certo e em excesso cria desigualdades, mas até que ponto o comunismo pode ser tido em conta. Desculpem-me se considero esta conversa politica, mas usar o capitalismo para culpar os males do mundo é completamente absurdo.
    Porque é que eu trabalhador, tenho de dividir com quem não faz nada e não passa de um parasita da sociedade? A igualdade de direitos deve ser considerada de uma forma diferente. Sem trabalho o pais não anda e isto inclui aqueles que fingem trabalhar.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSol

    23-07-2012 às 11:40:23

    Não acho nada que seja utopia nem sonhos alimentados por uma onda Piece and Love. É a realidade. Viver num mundo sem fronteiras, numa liberdade absoluta de religião e opinião. O capitalismo destrói as pessoas e ambiciona-as da pior forma.
    O Woodstock foi organizado e conseguido com esforço de quem acreditava num verdadeiro sonho e também os julgavam utópicos.
    Viver num mundo materialista onde a vontade para a igualdade pouco conta e só os materiais fúteis são o que mais interessa torna este em que vivemos, um mundo estragado e indesejável para os de fora (se é que existem). Make Love Not War.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRoberto

    19-07-2012 às 12:07:51

    Aposto e acredito que foi o maior evento de todos os tempos. Numa sociedade em que os festivais de verão são obrigatórios entre a juventude de hoje, há quem queira comparar estes novos eventos com aquele que foi o maior movimento de todos os tempos. Não se pagava entrada e a partilha era religiosa. A ideia dos festivais é a de criar e gerar dinheiro, enquanto que o Woodstock foi a vontade de manifestar em prol na igualdade, da escolha e principalmente da paz no mundo.
    O capitalismo rouba as ideias ao mais puro e transforma-o em máquinas de dinheiro absurdo. Já John Lennon dizia em “Imagen” que não dificil imaginar um mindo de igualdades. E não me considerem utópico, considerem um crente.

    ¬ Responder

Comentários - Woodstock – Uma memória Inesquecível

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Arrendamento Jovem: Porta 65

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Arrendamento
Arrendamento Jovem: Porta 65\"Rua
Ouvia-se há uns tempos atrás – Quem casa, quer casa! Tão correcta e tão certa, esta frase mantém-se para tudo e para todos. Mas, como dizia outro alguém, os tempos e as vontades também mudaram, e hoje em dia não é só quem casa que quer casa.

Cada vez mais somos independentes e cada vez mais cedo. Sair de casa e ser independente, gerir a sua vida financeira e emocional está nos planos de muitos jovens. Sós ou acompanhados, partem então para a aventura de viver sozinhos, mesmo que seja na mesma rua onde moram os pais – sempre se janta ao cimo da rua, certo?

Com as oscilações das taxas de juro nos últimos anos, o mercado da casa própria por empréstimo bancário caiu, dando lugar ao mercado do arrendamento de imóveis. Alugam-se mais casas e aquelas que estavam desocupadas há muitos anos, ganharam vida com novos inquilinos e roupa estendida nos estendais.

Entre arrendamentos e jovens, a distância não é muita, mas entre jovens e grande poder de compra a distância é abismal. Mas então como podem os nossos jovens arrendar casa se ganham pouco e saem tarde? A resposta pode vir mesmo de cima e não é do céu.

Há uns anos o Governo Português resolveu criar um sistema que ajuda a apoia ao arrendamento jovem de forma a incentivar á independência, ao arrendamento e ao incentivo aos jovens. Chama-se a Porta 65.

Um dos objectivos é trazer vida a muitas zonas necessitadas de gente jovem e em progresso.

Após a candidatura, o Governo oferece aos jovens habilitados, uma percentagem da renda da casa o que lhes permite um desafogo muito grande.

Mas nem toda a gente se pode candidatar. Para ter direito a este subsídio, não pode candidatar-se a mais nenhum relativamente a arrendamento. Não pode ser proprietário de outro imóvel, nem ter mais nenhum contrato de arrendamento. Tem de ter mais de 18 anos e pode usufruir até aos 30. Acima de tudo é obrigado a ter um contrato de arrendamento legal, com imposto de selo da Repartição de Finanças pago e o imóvel não pode ser de nenhum familiar directo.

Estes são apenas alguns requisitos (existem mais uns quantos) exigidos aquando a candidatura. Os documentos podem ser apresentados via internet e depois é esperar pela resposta.

Apesar deste apoio ser importante e fundamental para muitos jovens, a verdade é que é muitas vezes complicado. Arrende sem contar com isto, mas nunca deixe de se candidatar.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Arrendamento Jovem: Porta 65

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: SuZenDu

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 21:37:31

    Que bom saber desa forma de incentivo aos jovens em morar sós. Essa porta 65 parece ser bem interessante, a Rua Direita agradece pelas informações. Acredita-se que muita gente não sabe.

    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios