Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Evangélicas > Ser Igual A Deus

Ser Igual A Deus

Categoria: Evangélicas
Comentários: 2
Ser Igual A Deus

“Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.” (João 5.18)

Para o diabo é um absurdo e inadmissível alguém ser gerado pelo Espírito Santo a fim de se tornar um filho de Deus assim como o Senhor Jesus. Os judeus mesmo vendo o próprio Filho de Deus e mesmo estando diante de sua presença maravilhosa preferiram odiá-lo e matá-lo do que buscar, adorar e exaltar o seu santo nome. E ainda há pessoas que acham que a religião é algo provido de Deus. Os judeus estavam cegamente perdidos em suas religiões e por isso mesmo não conseguiam atentar para as grandes obras de salvação operadas por Cristo.

A religião faz o que o diabo mais quer que é cegar o entendimento humano para que não venha as pessoas crerem na Palavra de Deus e viverem seus propósitos. Em vez de adorar ao Senhor Jesus os judeus queriam matá-lo, isto é, exatamente fazer o que o diabo tanto quer. Como pode não é? Aqueles que deveriam servir a Deus querendo matar o Ungido que veio para salvar o mundo do pecado. É este o resultado da religião que foi inspirada pelo diabo no coração do homem com o intuito de confundir completamente o coração enganoso do ser humano. A religião veio do próprio inferno.

Somente podemos ser igual a Deus, isto é, verdadeiramente filhos da Luz quando vivemos tudo o que Ele nos ensinou. E acima de tudo só podemos ser filhos de Deus se nascermos de seu Santo Espírito. Os judeus tinham uma religião, eles tinham uma experiência com a religiosidade aparentemente provida de Deus, mas não tinham o DNA divino que é o Espírito Santo.

Do que adianta crer em Deus e não ser guiado pelo seu Espírito? Do que adianta ler a Bíblia sem ter a direção de Deus? Do que adianta frequentar uma igreja sem ter o caráter e frutos do Senhor Jesus? Deus não enviou seu Filho Amado para ser morto e ressuscitado para nos apresentar uma religião que para nada serve e sim nos trouxe o poder de salvação por meio de nossa fé e sacrifício de vida. Ser igual a Deus requer ser cheio de seu Espírito e ser filho legítimo de Deus requer novo nascimento. Precisamos morrer para este mundo e matar nossa velha criatura se de fato queremos pertencer completamente ao Senhor Jesus. A escolha é nossa: viver uma religião ou ser filho de Deus. Crer em Deus, isto é, ter uma religião é para todos, mas viver com Deus, isto é, ser filho de Deus é somente para aqueles que deixaram o Senhor Jesus escolher e capacitar para a sua Glória.

Quando recebemos a unção do Espírito Santo automaticamente nos tornamos um só com Deus Pai. Quem nos olha precisa ver o Pai ou tem algo errado conosco. Não se podia esperar dos judeus alguma característica do Pai, pois estavam vivendo a vontade do diabo. Quando as pessoas do mundo olham para você o que enxergam? Será que a sua vida tem exalado a essência do Pai Eterno?

Dizer que é filho de Deus é fácil, o difícil mesmo é mostrar isso por meio de sua própria vida! Se as suas características não batem com suas palavras é certo que você é mais um religioso assim como os judeus que abriam a boca para falar que eram filhos de Abraão, mas no seu coração estavam com o desejo de matar o próprio Senhor Jesus. Quando somos filhos de Deus incomodamos quem pertence as trevas. Quem é realmente nascido do Espírito Santo deixa os filhos da perdição irados porque esses não suportam estar por perto.

Do que adianta os judeus guardarem o sábado se não estavam guardando o Senhor Jesus dentro de seu coração? Do que adianta você viver uma rotina como uma pessoa que crê se não vive a vontade de Deus? Mais do que ler a Bíblia, crer em Deus, frequentar igreja, fazer oração é render sua vida aos pés de Jesus.

Quando somos gerados pelo Espírito Santo nos tornamos filhos de Deus e naturalmente o mundo passa a nos odiar. As pessoas viram as costas para nós e passam a nos odiar como nunca antes. Quando nos tornamos nascidos de Deus aqueles que eram para nos ajudar fazem de tudo para amarrar a nossa vida através de palavras negativas e dúvidas justamente para nos fazer cair.

É exatamente o que aconteceu com Jesus no deserto onde foi guiado pelo Espírito Santo. Ele como nascido de Deus enfrentou as afrontas de Satanás que fazia de tudo para que parasse e desistisse da Missão de salvar os pecadores. No momento em que você recebe o Espírito do Altíssimo todo o inferno estremece porque acaba de perder mais uma alma para o reino dos céus. O diabo faz de tudo para que uma alma não alcance a Deus e por isso luta para que no momento da entrega ao Senhor Jesus muitos se distraem e percam a bênção maior.

É neste sentido que podemos entender que no momento em que acontece diversas coisas para nos tirar o foco é o momento onde o Espírito Santo está prestes a se manifestar em Glória.

Portanto, não permita com que as distrações deste século te desviem do seu foco espiritual porque a bênção espiritual pode estar a uma palavra de sua boca em adoração a Deus. Mesmo com tantas dificuldades a atravessar para ser Filho de Deus continue a se entregar! Pague o preço que for preciso, mas jamais deixe a oportunidade que Deus está te dando morrer.

O próprio Senhor Jesus Cristo não desistiu de nós quando se entregou sem reclamar na cruz do Calvário. Por que nós vamos olhar para trás? Não temos o direito de negar tão grande amor! Se não fosse o sacrifício do Senhor Jesus estaríamos perecendo nas trevas até hoje e nunca seríamos dignos de ser chamados de filhos de Deus. A religião concebe o direito de agradarmos a nossa vontade e a verdadeira fé no Senhor Jesus nos concebe o direito de ser chamados de filhos de Deus.

Ser igual a Deus não é questão de sermos perfeitos e sim de ser separados deste século exclusivamente para atender a Palavra de Deus. Ser Igual a Deus é seguir seus caminhos, viver em humildade, praticar a justiça, ou seja, viver os planos de Deus por toda a vida.


Natanael Genoel

Título: Ser Igual A Deus

Autor: Natanael Genoel (todos os textos)

Visitas: 0

558 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    29-06-2014 às 17:05:07

    Penso que ser igual a Deus é seguir os passos de Cristo. Sua marca, o amor, deve ser nosso maior alvo de vida. Só mesmo o Espiríto Santo nos mantém obedientes a Deus, pois humanamente falando - somos imprestáveis, egoístas.

    ¬ Responder
  • Natanael GenoelNatanael Genoel

    09-10-2014 às 04:12:46

    Exatamente escritora Adriana dos Santos :D Sem o sacrifício de nossa vida na mão de Deus não podemos segui-Lo.

    ¬ Responder

Comentários - Ser Igual A Deus

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios