Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Evangélicas > Inimigos E Estrangeiros De Deus

Inimigos E Estrangeiros De Deus

Categoria: Evangélicas
Comentários: 2
Inimigos E Estrangeiros De Deus

“E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis.” (1 Colossenses 1.21-22)

O pior inimigo que existe não é o diabo e sim nós mesmos quando escolhemos praticar as obras malignas, isto é, viver uma vida mergulhada no pecado. Quem vive a vontade humana(carnal) inspirada pelo Maligno se torna automaticamente inimigo de Deus querendo ou não. Somente através do sangue derramado por Jesus Cristo, o Filho de Deus na cruz do Calvário somos capazes de vencer toda sorte de pecados.

Muitos conhecem a Palavra de Deus, mas insistem em viver na vida imunda. Ora, a libertação do pecado é alcançada por meio da entrega da própria vida no Altar de Deus renunciando todo o prazer carnal para viver a Verdade do Evangelho. É impossível viver uma vida livre deste século sem a lei do sacrifício. Cristo Jesus se sacrificou por inteiro no altar do Calvário e você até quando vai esperar para reconhecer esta prova de amor? Até quando aceitará viver sofrendo?

As pessoas dizem crer em Deus vivendo totalmente na direção do Maligno. O fato é que sem entrega do coração aos pés de Jesus Cristo não há purificação nem salvação. O problema da maioria é a preocupação com o exterior, pois vida com Deus exige negação do que este mundo podre oferece. E assim vivem muitos completamente iludidos achando que quando morrerem vão levar as suas riquezas junto.

Deus não está preocupado com o seu exterior que acaba e sim com o seu interior que é eterno. A nossa alma é a vida preciosa que o Senhor Jesus quer resgatar e salvar. Você está pronto para se arrepender com sinceridade? Não espere o tempo passar e sim se lance na presença de Deus neste momento. Talvez, seja a sua última chance. É a sua vez de mudar de vida.

O Senhor Jesus nos reconciliou por meio da carne de seu corpo em sacrifício e pela sua misericórdia incalculável nos concebeu o direito a salvação eterna da alma. Que maravilha! Só os tolos são capazes de desprezar esta plenitude. A morte de Cristo apagou o nosso passado enterrando os nossos pecados e a sua ressurreição gerou a verdadeira vida dentro de nós. Aleluia!

Hoje a morte da alma não pode nos atingir, pois ela pertence a Vida que é o Senhor Jesus Cristo. Os planos de Deus são perfeitos e infalíveis. Satanás fez de tudo para impedir o plano de Deus de salvar todos os pecadores por meio de seu Filho Amado, mas não conseguiu. Deus nunca perdeu nem perderá uma batalha. Sua Palavra nunca falhará. Ele te faz um vencedor e te revela a sua Glória e a sua Grandeza. Creia nisso!

Não seja inimigo de Deus praticando as obras da carne nem seja estranho vivendo no pecado. Abra os seus olhos para a realidade. Se hoje somos salvos é por causa de Jesus Cristo e se nos apresentamos a Deus é pela sua graça maravilhosa que nos santificou, isto é, nos separou deste mundo maligno.

Aqueles que receberam o perdão de Deus por meio de sua fé em arrependimento de seus pecados se tornam inculpáveis e irrepreensíveis. Que honra não é verdade? Creia neste plano, ele se realiza na vida de todos aqueles que confiam 100 % na Palavra de Deus.

Receber a Cristo não é o suficiente para manter a reconciliação. É necessário permanecer na fé praticando o Evangelho de Deus com sinceridade e temor sem olhar para os banquetes que este século apresenta. Seu valor é essencial para Deus e o sangue vertido na cruz prova isso.

Não negue este amor santo e sim a sua própria vontade que só te traz dor, sofrimento e desilusão. O mundo inteiro te abandonou, mas o Senhor Jesus Cristo sempre está ao seu lado para te receber. Amém? Receba o Perdão de Deus que te restaura por completo. Viva essa fé!


Natanael Genoel

Título: Inimigos E Estrangeiros De Deus

Autor: Natanael Genoel (todos os textos)

Visitas: 0

558 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    29-06-2014 às 18:08:46

    Renunciar a nós mesmos, isso nos torna amigos de Deus. Viver para Ele de todo o coração.

    ¬ Responder
  • Natanael

    29-08-2014 às 19:33:19

    Exatamente. A nossa entrega a Deus revela nossa comunhão.

    ¬ Responder

Comentários - Inimigos E Estrangeiros De Deus

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios