Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Evangélicas > Deus sempre controla o que tu supões ter o controle

Deus sempre controla o que tu supões ter o controle

Categoria: Evangélicas
Deus sempre controla o que tu supões ter o controle

Em minha adolescência sempre fui uma menina que fazia de tudo para ter controle sobre as coisas e situações. Aprendi sozinha lendo bastantes livros que aquilo que está em minha mão devo cuidar e zelar. Com isso, tentava de todas as formas controlar.

Crescendo e quebrando a cara fui aprendendo a controlar as pessoas. Era, de certa forma, uma maneira de autodefesa.
Não queria que ninguém se aproveitasse de minha inocência, de minha pureza, pois pensava que o coração de muita gente era bondoso, sem maldade. Engano-me!

Assim, controlava tudo para não deixar que nada e nem ninguém fugisse do meu controle ou que me fizesse de boba.

Com as várias vivências que tive percebi o quanto me enganei em pensar que o controle pertence apenas a mim. Aquilo que penso ou quero controlar, na verdade, é o que mais me foge.
Dessa forma, perco as estribeiras quando vejo isso acontecer em algum momento de minha vida.

Certa vez planejei um evento "Noite Oriental" bem bacana para mais de 30 jovens na casa de um amigo e contratei um rapaz para preparar toda a parte da comida tipo sushi, butterfly, yakisoba, sashimi e outras.

Pensava que estava tudo sob controle e, de repente, ele não apareceu me deixando na mão! Fiquei tão furiosa, uma mistura de raiva com tristeza, pois queria que fosse inesquecível para todos.

Tudo que sai do meu controle me deixava extremamente braba. Deus foi me ensinando, eu fui me submetendo a aprender que nada está em minha mão e quem rege tudo é Deus. Devo apenas aceitar, me calar.

Certamente, depois, muito depois a gente acaba por compreender qual o propósito do acontecido! Na hora nem adianta questionar!

Diante disso, nós supomos ter o controle quando, na verdade, o controle de todas as coisas está em Deus. Então, descanse e não queira agarrar o mundo. Confie em Deus e apenas obedeça!

Podemos até pensar que controlamos o trabalho, o casamento, os filhos, as várias situações cotidianas, o dinheiro, as tarefas domésticas, enfim, tudo está e dentro do nosso alcance e controle. Mas, devemos pensar que Deus é o Senhor de tudo isso.

Devemos entregar à Ele todos os setores da vida e pedir que Ele controle, pois, certamente, Ele sabe fazer isso melhor que eu e você.

Da próxima vez que algo acontecer da forma diferente que planejaste, lembre-se que Ele está controlando tudo e cuidando dos mínimos detalhes. Confie, apenas!


Adriana Santos

Título: Deus sempre controla o que tu supões ter o controle

Autor: Adriana Santos (todos os textos)

Visitas: 0

17 

Comentários - Deus sempre controla o que tu supões ter o controle

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios