Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Henry Dunat e a Cruz Vermelha

Henry Dunat e a Cruz Vermelha

Categoria: Biografias
Henry Dunat e a Cruz Vermelha

As origens da Cruz Vermelha remontam à Batalha de Solferino, em 1859. Esta batalha realizou-se no norte de Itália, perto de uma cidade denominada Solferino, entre a Áustria e a França. Desta batalha resultaram cerca de 40 mil vítimas mortais e outros milhares de feridos. Henry Dunant, com o objectivo de ajudar os feridos, reuniu o maior número de mulheres e camponeses para colaborar. O exército francês saiu vitorioso desta batalha.
Após o confronto, muitos dias sangrentos se seguiram. Eram múltiplas as tentativas para salvar o maior número de soldados. Henry Dunant pensou que isto nunca mais poderia voltar acontecer.

Mais tarde, Dunant regressa à Suíça e conta o que viu.

Jean Henry Dunant foi o idealista da Cruz Vermelha. Ele e mais quatro amigos assumiram a responsabilidade de criar uma comissão que ajudasse os doentes e os feridos.

Passado algum tempo, Dunant e os seus amigos pediram a vários países para enviar os seus representantes a Genebra e dizem-lhes: "Criámos um regulamento relativo aos tratamentos a dar aos doentes e aos feridos. Se os senhores aprovarem estas leis, escrevam o vosso nome no fim da folha. Terão assim assinado as Convenções de Genebra". Todos os países devem obedecer as estas leis.

Assim, Henry Dunant e os seus amigos criaram uma comissão designada Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Os objectivos da Cruz Vermelha são sete: Humanidade, Imparcialidade, Independência, Naturalidade, Voluntariado, Unidade e Universalismo.

Sendo uma organização humanitária, tem como fundamento básico a defesa e o respeito pelo ser humano. É imparcial, pois não distingue raças, credos ou ideologias. Toda a sua intervenção não é determinada por juízos de valor ou pré noções. É independente porque aplica autonomamente orientações independentes de acordo com as Sociedades Nacionais em causa. É neutral devido a ser uma organização internacional, e desta forma, amplamente abrangente, é neutra em toda a sua intervenção, não tomando posicionamentos que possam prejudicar a organização. Voluntariado é o pilar fundamental da organização e encontra-se na base de todo o Movimento. O sexto objectivo é a Unidade devido a esta ser a única em cada território nacional, de forma a existir uniformidade na sua intervenção. Universal pois trata-se de uma organização mundialmente reconhecida.


Daniela Vicente

Título: Henry Dunat e a Cruz Vermelha

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

601 

Comentários - Henry Dunat e a Cruz Vermelha

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios