Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > O barco como atelier de Monet

O barco como atelier de Monet

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Barcos
Visitas: 20
Comentários: 1
O barco como atelier de Monet

O pintor impressionista Oscar Claude Monet nasceu na Rue Laffitte 45, na cidade das luzes, a 14 de novembro de 1840. Era filho de Claude Adolphe Monet, um comerciante, e de Louise Justine Aubrée. Com apenas cinco anos de idade mudou-se para Havre, onde iniciou, em 1855, o desenho de caricaturas. Estas permitiram-lhe ganhar algum dinheiro. Dois anos depois, a sua mãe faleceu, ganhando a partir daí o apoio da tia Marie-Jeanne Lecadre. Em 1858, Monet conheceu Eugène Boudin , um pintor paisagista, que influenciou o pintor francês a pintar ao ar livre. Este novo método só era possível pela invenção das tintas portáveis em bisnagas. Claude Monet decidiu, assim, seguir a área das artes, mas não foi bem aceite pelo pai. A influência da sua tia permitiu o pintor viajar para Paris à procura de um atelier. Constant Troyon, um admirador dos seus quadros, sugeriu-lhe o atelier de Thomas Couture, contudo Monet optou pela Académie Suisse, em 1859. Aqui, conheceu Camille Pissarro, de quem se tornaria grande amigo. Em 1861, Monet foi colocado na Argélia com o objetivo de permanecer por lá sete anos, todavia, um ano depois, o pintor francês adoeceu de tifo e voltou para Havre. A sua tia, para evitar a partida do seu sobrinho quando recuperasse, pagou uma avultada quantia para livrá-lo do serviço militar. Uma condição estava implícita: Monet devia partir para Paris e entrar num atelier de pintura com um professor condecorado, Auguste Toulmouche. Já em Paris, Toulmouche aconselhou-lhe o atelier livre de Charles Gleyre, onde permaneceu até 1864. Aqui, conheceu Auguste Renoir, Alfred Sisley e Frédéric Bazille, com quem começou a pintar na floresta Fontainebleau. Alguns anos depois, Camille Doncieux, a sua companheira, engravidou e deu à luz o primeiro filho de ambos, Jean, a 8 de agosto de 1867. Esta relação não foi bem vista pelo seu pai nem pela sua tia, e a sua mesada foi cortada. Quando voltaram da Normandia, Monet e a sua família foram viver para a casa de Bazille. Em 1870, no ano de casamento de Monet com Camille, a guerra entre a França e a Prússia rebentou. Este viu-se obrigado a emigrar para Londres. Conheceu Durand-Ruel, que lhe comprou imensos quadros, o que lhe permitiu no ano seguinte passar pela Holanda antes de voltar para a sua pátria. Instalou-se com a sua família em Argenteuil, de 1872 e 1878, onde pintou uma serie de quadros célebres, como o Campo de Papoilas, perto de Argenteuil. Em 1879, nasceu o segundo filho do casal, Michel, em Vétheuil, onde a família morava na altura. Um ano mais tarde, faleceu a sua mulher Camille vítima de tuberculose. Contudo, Monet não ficou sozinho e, em 1892, casou com Alice Hoschedé. Após ter-se mudado para Giverny com a sua família, Monet dedicou-se a montar este espaço ao seu gosto, nomeadamente o jardim e o seu atelier. Em 1899, começou a série de pinturas com base nos nenúfares do seu lago e da ponte japonesa que mandou construir sobre este. Na viragem do século, Claude Monet confrontou-se com vários problemas de visão e acabou por morrer a 5 de dezembro de 1926, vítima de tumor, quase cego. Pouco antes de falecer, decidiu doar os seus quadros de nenúfares para serem expostos nas salas de Orangerie des Tuileries, perto da Praça da Concórdia.

Daniela Vicente

Título: O barco como atelier de Monet

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 20

721 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:33:32

    Perfeito! Parabéns, amei o barco como atelier de Monet.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O barco como atelier de Monet

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Boyhood um filme que você não espera muito, mas encontra bastante.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: DVD Filmes
Boyhood um filme que você não espera muito, mas encontra bastante.\"Rua
Finalmente assisti Boyhood. O filme sugerido por um amigo há alguns dias atrás que, tirando o fato de ser sido feito em 12 anos, nunca tinha me chamado a atenção. Lembro de visto os comentários na época do Oscar, mas mesmo assim não estava empenhado em vê-lo.

Quando me falaram que era estilo real life, torci mais ainda o nariz, achando que veria algo no esquema, “Atividade Paranormal”, que para mim usa a desculpa de “semidocumental” para justificar péssimas atuações.
No entanto, mesmo com a expectativa baixa, nas primeiras cenas do filme já comecei a mudar de ideia e conforme o mesmo avançava iam surgindo frases do tipo: “Opa, talvez só pela trilha sonora já valha a pena! ”, ou “Caraca, essas crianças estão ótimas nesses papéis! ”, ou ainda “Até o Ethan Hawke, está legal nesse filme! ”. Até passar da metade e começarem os comentários tipo: “Ah meu Deus, não quero plot twist, quero que tudo acabe bem com o Mason e sua família”, ou “Por favor sem surpresas no final, eu quero apenas um final feliz! ”.

Eu realmente fiquei muito surpreso com o filme. (SPOILLERS daqui pra frente). Não com o roteiro e como eu disse acima: ainda bem. A história e super comum. O final é comum como o esperado, com exceção da Mãe de Mason, Olivia Ewans. Esta só teve o seu digno final na cerimônia do Oscar quando a atriz Patrícia Arquete, que interpretou a mãe, venceu como atriz coadjuvante, e fez um discurso muito bom sobre a igualdade de direitos entre homens e mulheres.

No filme as situações lembram bastante a realidade, destaco uma cena em que o Ethan Hawke, está conversando com sua nova esposa em uma festa para comemorar a formatura de Mason no colegial e sua ex-sogra, fica interrogando-os com algum assunto qualquer, depois que ela saiu de perto deles eles ficam rindo e fazendo umas caretas comentando tipo: “que conversa estranha! ”, ou algo assim, coisas que todos fazemos, mas muitas vezes nem reparamos. Esses tipos de detalhes do cotidiano foram muito bem captados, pelo diretor e exposto de forma muito natural.

Fica essa dica de um filme muito interessante, que vale a pena ser visto por toda a família, inclusive para quem tem olhos mais clínicos, pois poderá perceber sutilezas nos cenários e nos diálogos que foram muito bem construídos.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Boyhood um filme que você não espera muito, mas encontra bastante.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Leputs 20-08-2015 às 22:32:59

    Boa critica, vim por recomendação de um user de um fórum e acabei lendo suas outras resenhas, na minha opinião as primeiras resenhas que você fez eram mais profissionais, agora elas estão pendendo mais para um lado "não crítico". Recomendo você dar uma relida nas antigas que da para aproveitar muita coisa.
    No mais curti muito sua forma de interpretação e relato. Parabéns.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    21-08-2015 às 23:42:37

    Opa obrigado pelo seu tempo e pelo conselho.
    Sem querer me justificar, mas já o fazendo ainda estou trabalhando nesse meu estilo de escrita e por isso tenho experimentado um pouco. Meu intuito na verdade era buscar um diferencial nas críticas e resenhas sem ficar muito preso a somente descrição da obra, mas realmente ser parcial, ou até passional, como você pode ler nessa última, até pra gerar debates e expor um pouco do que eu "senti" logo que terminei de ver os filme, ou de ler os livros. Mas seu conselho está anotado, pois entendo que tenho que encontrar um equilíbrio entre a paixão e o profissional, para que não vire um relato de diário. Mais uma vez agradeço pelo feedback e espero que continue acompanhando, pois muito virá depois destes!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios