Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > O barco como atelier de Monet

O barco como atelier de Monet

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Barcos
Visitas: 20
Comentários: 1
O barco como atelier de Monet

O pintor impressionista Oscar Claude Monet nasceu na Rue Laffitte 45, na cidade das luzes, a 14 de novembro de 1840. Era filho de Claude Adolphe Monet, um comerciante, e de Louise Justine Aubrée. Com apenas cinco anos de idade mudou-se para Havre, onde iniciou, em 1855, o desenho de caricaturas. Estas permitiram-lhe ganhar algum dinheiro. Dois anos depois, a sua mãe faleceu, ganhando a partir daí o apoio da tia Marie-Jeanne Lecadre. Em 1858, Monet conheceu Eugène Boudin , um pintor paisagista, que influenciou o pintor francês a pintar ao ar livre. Este novo método só era possível pela invenção das tintas portáveis em bisnagas. Claude Monet decidiu, assim, seguir a área das artes, mas não foi bem aceite pelo pai. A influência da sua tia permitiu o pintor viajar para Paris à procura de um atelier. Constant Troyon, um admirador dos seus quadros, sugeriu-lhe o atelier de Thomas Couture, contudo Monet optou pela Académie Suisse, em 1859. Aqui, conheceu Camille Pissarro, de quem se tornaria grande amigo. Em 1861, Monet foi colocado na Argélia com o objetivo de permanecer por lá sete anos, todavia, um ano depois, o pintor francês adoeceu de tifo e voltou para Havre. A sua tia, para evitar a partida do seu sobrinho quando recuperasse, pagou uma avultada quantia para livrá-lo do serviço militar. Uma condição estava implícita: Monet devia partir para Paris e entrar num atelier de pintura com um professor condecorado, Auguste Toulmouche. Já em Paris, Toulmouche aconselhou-lhe o atelier livre de Charles Gleyre, onde permaneceu até 1864. Aqui, conheceu Auguste Renoir, Alfred Sisley e Frédéric Bazille, com quem começou a pintar na floresta Fontainebleau. Alguns anos depois, Camille Doncieux, a sua companheira, engravidou e deu à luz o primeiro filho de ambos, Jean, a 8 de agosto de 1867. Esta relação não foi bem vista pelo seu pai nem pela sua tia, e a sua mesada foi cortada. Quando voltaram da Normandia, Monet e a sua família foram viver para a casa de Bazille. Em 1870, no ano de casamento de Monet com Camille, a guerra entre a França e a Prússia rebentou. Este viu-se obrigado a emigrar para Londres. Conheceu Durand-Ruel, que lhe comprou imensos quadros, o que lhe permitiu no ano seguinte passar pela Holanda antes de voltar para a sua pátria. Instalou-se com a sua família em Argenteuil, de 1872 e 1878, onde pintou uma serie de quadros célebres, como o Campo de Papoilas, perto de Argenteuil. Em 1879, nasceu o segundo filho do casal, Michel, em Vétheuil, onde a família morava na altura. Um ano mais tarde, faleceu a sua mulher Camille vítima de tuberculose. Contudo, Monet não ficou sozinho e, em 1892, casou com Alice Hoschedé. Após ter-se mudado para Giverny com a sua família, Monet dedicou-se a montar este espaço ao seu gosto, nomeadamente o jardim e o seu atelier. Em 1899, começou a série de pinturas com base nos nenúfares do seu lago e da ponte japonesa que mandou construir sobre este. Na viragem do século, Claude Monet confrontou-se com vários problemas de visão e acabou por morrer a 5 de dezembro de 1926, vítima de tumor, quase cego. Pouco antes de falecer, decidiu doar os seus quadros de nenúfares para serem expostos nas salas de Orangerie des Tuileries, perto da Praça da Concórdia.

Daniela Vicente

Título: O barco como atelier de Monet

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 20

721 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:33:32

    Perfeito! Parabéns, amei o barco como atelier de Monet.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O barco como atelier de Monet

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios