Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Mosteiro da Batalha, o marco da vitória

Mosteiro da Batalha, o marco da vitória

Categoria: Arte
Mosteiro da Batalha, o marco da vitória

Com o governo de D. João I veio também a definição de um novo estilo de arte associado ao Mosteiro da Batalha - obra monástica erguida pelo rei para agradecer a Nossa Senhora a vitória de Aljubarrota. Deve-se a Afonso Domingues o planeamento geral de todo o edifício monástico. Em 1402, sucede-lhe o Mestre Huguet, que ali trabalhou até 1438. Concluiu a igreja, o claustro, o dormitório e o refeitório. A ele se deve também a planificação da construção da Capela do Fundador, cujo projecto foi pensado por D. João I para panteão da família, e uma outra capela, mandada construir por D. Duarte para seu panteão, com planta octogonal e de grandes dimensões, que só a morte do monarca impediu que se concretizasse.

O Mosteiro da Batalha serviu de panteão para D. João I e para a sua família, sendo uma obra que demonstra grande capacidade financeira, ou seja, é uma obra de propaganda do poder régio. A arca destinada a albergar os corpos de D. Filipa (filha do duque de Lencastre, D. João de Gant e de D. Branca de Lencastre) e D. João I tinha uma tampa com um duplo jacente, mostra os dois esposos alinhados, um ao lado do outro e de mão dada. D. João I repousa a cabeça em cima de uma dupla almofada e veste um tabardo ornamentado com as armas do reino, ou seja, foi representado como guerreiro. Para além da coroa na cabeça, o monarca ostenta na mão esquerda um ceptro adornado com as armas nacionais. D. Filipa de Lencastre foi retratada igualmente coroada, com vestido comprido decotado e manto preso por firmal. O prestígio destes monarcas conjugado com este tipo de novidade de monumento levou a que se difundisse o modelo deste jacente, como é o caso de D. Duarte e D. Leonor, sepultados também neste mesmo mosteiro, nas Capelas Imperfeitas. O túmulo deve ter sido criado entre 1438, data da morte do monarca, e 1445, data da morte de D. Leonor, e esteve algum tempo na capela-mor à espera de ser depositado nas Capelas Imperfeitas, que ainda não estavam concluídas.

Daniela Vicente

Título: Mosteiro da Batalha, o marco da vitória

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Comentários - Mosteiro da Batalha, o marco da vitória

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios