Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Aprenda Como fazer Tapioca

Aprenda Como fazer Tapioca

Categoria: Alimentação
Visitas: 24
Aprenda Como fazer Tapioca

Que tal substituir, ao menos de vez em quando, o pão nosso de cada dia por tapioca? Sabe que acho que se Jesus tivesse nascido por estes lados, o “pão da vida” seria a tapioca?! Quer coisa mais simples e acessível do que um alimento feito só à base de mandioca e água?

A tapioca é mais um daqueles pratos típicos do Brasil que fazem sucesso em todo lado. Alimento de origem indígena, é muito comum nas regiões norte e nordeste do país. É aquela comida que toda boa mãe ou avó nordestina ou nortista sabe fazer. E é por isso que a tapioca está presente no Brasil todo…

A sua preparação é muito simples: da mandioca é extraída a goma, ou o polvilho doce, que é misturado à água e pronto! Aí está a tapioca, ou o beiju – que linda a variação do nome, não é ♥.

Falando em beiju, bisous, bijoux… Arrisco-me a dizer que a tapioca está para os brasileiros, principalmente do norte e nordeste do país, como o crepe está para os franceses.

Uma receita fácil, que dá para fazer em casa e se desenrascar com rapidez. E o resultado dificilmente sai mau!

PROPRIEDADES DA TAPIOCA
A tapioca é livre de glúten, sal e gordura hidrogenada, por isso é uma ótima opção para substituir o pão. Mas é constituída por um carboidrato simples, ou seja, seu açúcar é absorvido rapidamente pelo organismo, por isso é interessante e muito útil adicionar chia ou linhaça em sua massa.

TAPIOCA ENGORDA?
Como já dissemos, a tapioca é rica em carboidratos simples, não é muito nutritiva e nem é propriamente a Oprah Winfrey das proteínas. Por outro lado, tem aquelas propriedades positivas que já falamos, principalmente ser livre de glúten. Por isso, pode entrar na sua DIETA como alternativa ao pão, pois é mais saudável. Mas com moderação.

O grande perigo da tapioca pode estar no recheio que você escolher, aí sim a tapioca engorda! Por isso, cuidado com o que escolhe para rechear a tapioca! E ainda assim, moderação com o beijuzinho… Não abuse! Por não ter fibras, o polvilho da tapioca, em excesso, pode prejudicar o trânsito intestinal.

Uma maneira de equilibrar as coisas é usar como recheio, alimentos com fibra e ricos em nutrientes ;)

RECEITA DE TAPIOCA
Ingredientes:
- Polvilho doce
- Água

Sobre as quantidades, depende de quantas tapiocas você quer fazer. A quantidade de polvilho é entre 70g e 80g para uma tapioca, com 15 cm de diâmetro.

Modo de preparo:
Adicione água aos poucos e “meta a mão na massa”, misturando o polvilho até que fique todo úmido. Depois use uma peneira para separar a goma fininha, que é a que você vai usar. Agora é só espalhar a massa numa frigideira antiaderente, aquecida a fogo médio alto, e assar de ambos os lados.

Não deixe ficar muito seca, pois pode quebrar na hora de dobrá-la. Não é preciso untar a frigideira com nada!

Sugestões de recheios saudáveis e deliciosos:

Ovo mexido com uma pitada de sal e azeite a gosto, banana com canela, refogado de berinjela com tomate, tofu com ervas e azeite… Invente, faça um recheio saudável e diferente!

De acordo com Caio Bassoli, da Casa da Tapioca, a fécula de mandioca pode ser encontrada em casas do norte, estabelecimentos que vendem artigos típicos do norte e nordeste do País. O produto é diluído em água até virar uma massa dura, que deve ser quebrada em blocos menores e depois passada por uma peneira de fubá, formando a matéria-prima da tapioca.

“Em alguns lugares, como Sergipe, biju é utilizado como um sinônimo de tapioca, mas geralmente ele é uma versão mais durinha da tapioca, é maior e pode ser feita até no forno”, conta Wanderson.

Entre a goma para a tapioca doce ou salgada não há muita diferença, mas é possível adicionar uma pitada de sal à mistura. “Comumente não se acrescenta, mas vai de gosto.

Já o açúcar normalmente não é colocado junto com a goma pois o amido no calor gelatiniza e o açúcar carameliza, o que interfere na textura”, explica Jorge.

O tamanho e espessura da tapioca vai depender do gosto, mas segundo Wanderson o padrão é de cerca de 15 cm de diâmetro. Quanto mais fina, maior o risco de que a massa fique ressecada. “A quantidade ideal por unidade é de aproximadamente 80g de goma”, indica Caio.

A tapioca pode ser feita em uma frigideira teflon, panela de ferro específica para o produto ou chapa. Segundo Jorge, normalmente não é preciso adicionar nada ao recipiente, pois a própria tapioca já é antiaderente, porém em uma frigideira mais áspera talvez um pouco de manteiga seja necessário para que ela não grude.

Com o fogo médio para alto, basta espalhar a massa pela panela ou chapa usando uma colher, espalhando até formar um círculo. “Caso prefira a pessoa pode até utilizar aros de tapioca de inox ou alumínio para ajudar no formato”, afirma Wanderson.

Ele ainda aconselha abafar a tapioca com a tampa, para um cozimento mais uniforme. “Ela sempre solta uns grãozinhos, então isso também ajuda a evitar sujeira”, afirma.

Quando você mexe a frigideira e a tapioca se movimenta significa que está no ponto. Segundo os especialistas é possível virá-la nesse momento, mas não é necessário assá-la dos dois lados, dependendo do gosto. No ponto certo, segundo Jorge, a tapioca deve estar úmida, sem desmanchar ou quebrar. “Caso ela queime um pouquinho basta raspá-la com uma faquinha”, aconselha Caio.

O recheio deve ser adicionado sobre a tapioca ainda no fogo, geralmente sendo colocado apenas de um lado da goma. “Uma dica legal é fazer uma tapioca um pouco mais grossa quando o recheio for doce para que as caldas não vazem. Já na salgada pode fazer mais fininha para deixá-la mais crocante”, sugere Caio.

Ela pode ser servida aberta, dobrada em meia lua, como é mais comum, ou enrolada. Para deixar a massa mais macia o segredo de Wanderson é regá-la com manteiga de garrafa. Quando o assunto é o recheio, Jorge aposta na criatividade para criar sabores apetitosos.

Sobrou tapioca? Quando ainda está em forma de blocos a goma pode ser congelada, já na versão ralada deve ser mantida na geladeira, com duração entre três e 10 dias.

Confira sugestões de recheio dos chefs:

Tapioca Light
Duas fatias de peito de peru, duas fatias de queijo fresco e uma rodela de tomate temperado com azeite, orégano e sal.

Tapioca Banana e Chocolate
Uma banana nanica picada e uma base de sobremesa de chocolate.
Tapioca de goiabada com coco
Cubra metade da tapioca com goiabada cascão e adicione coco ralado por cima.
Tapioca de carne seca com queijo coalho
Cubra metade da tapioca com queijo coalho e espalhe carne seca por cima.

Tapioca com calda de morango
Aqueça 60 ml de água e acrescente 80g de açúcar e 200g de morango fatiado. Cozinhe até chegar ao ponto de calda. Coloque uma colher de sopa de papoula ou gergelim sobre a frigideira antes de colocar a massa de tapioca. Espalhe a calda sobre metade da tapioca e adicione uma colher de sopa de raspas de chocolate.


Celso Junior Juniorcis

Título: Aprenda Como fazer Tapioca

Autor: Celso Junior Juniorcis (todos os textos)

Visitas: 24

407 

Comentários - Aprenda Como fazer Tapioca

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios